Café Society, de Woody Allen

Café Society, o novo Woody Allen, é uma beleza fotografada por Vittorio Storaro que parece estar de acordo com aquilo que aprendi na segunda parte da Suma Teológica, de Santo Tomás de Aquino: em termos da ação humana, a atividade racional só é para ser compreendida a partir de um contexto em que as paixões da alma são levadas em conta. Alma apetitiva e alma racional não são dois compartimentos descontínuos, mas potencialidades de uma só alma humana. O filme de Woody Allen ilustra brilhantemente em suas últimas cenas que a vida ganha mais sentido se for reflexiva e que, para nós, pobres homens, as paixões são uma porta significativa de entrada para a reflexão.

Anúncios
Esse post foi publicado em Cinema, Uncategorized e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s